Desmonte da Polícia Civil é relembrado em ato do Sindipol

A data é 17 de Julho de 1997, policiais civis lembram do dia como um marco da luta contra o desmonte da Polícia Civil. Os dirigentes do Sindicato dos Policiais Civis de Alagoas (Sindpol) realizaram ato público nesta terça-feira (17), em alusão a acontecimento.
Na mobilização, os participantes distribuíram panfletos que alertavam a população quanto a falta de efetivo da Polícia Civil e as consequências negativas para a população, como a impunidade, o avanço da violência e o não atendimento à sociedade.
A terceirização na Segurança Pública através do Programa Ronda nos Bairros, também é outra insatisfação da classe, já que é composto por pessoas que não são da Polícia Militar.
“Os servidores públicos unidos deram um exemplo aos atuais políticos. Infelizmente, a gente vivencia um mundo de corrupção, mas o Sindpol está atento juntamente com outras categorias do serviço público. Podemos mostrar a união dos servidores públicos de novo. Isso é um marco na história de Alagoas”, defende.
Para o dirigente do Sindicato dos Trabalhadores do Nível Médio da Saúde, Jadson Alves, o 17 de Julho é de suma importância para o movimento sindical e os servidores. “O movimento ajudou em uma nova visão para Alagoas em relação à defesa dos serviços públicos, primordialmente, a realização de novos concursos, que apareceram depois de 1997, pois o Estado estava carente de serviços após o PDV, que foi criado para desmontar o Estado.
Os sindicatos, que estavam à frente, na época do 17 de Julho, tiveram um profundo papel na questão do combate à desigualdade. Então, houve o fortalecimento dos servidores, um olhar diferente para a saúde e a importância do reconhecimento dos serviços públicos no Estado de Alagoas”, revelou.
O historiador Luiz Gomes, autor de vários livros sobre o 17 de Julho, disse que os servidores públicos saíram às ruas, enfrentaram o Exército e derrubaram o Suruagy, que adotava uma política neoliberal de destruição de serviços públicos.
O diretor Jurídico do Sindpol, José Carlos Fernandes, o Zé Carlos, que também teve papel atuante no 17 de Julho, destacou que a história dos trabalhadores é cheia de revoluções, e o 17 de Julho faz parte dessa história do Brasil.
“A situação econômica daquela época, com as pessoas passando necessidades, fez com que os servidores públicos, os policiais civis e militares, trabalhadores da Saúde e da Educação tomassem uma medida de enfrentamento com o Exército. A polícia veio para o lado do povo, em defesa da população. Quando a polícia passa para o lado do povo, a revolução acontece. Quando o povo quer, o povo consegue. Esse momento não pode cair no esquecimento. A população sabe que quando o povo se reúne, o povo faz sua história, é o que aconteceu no 17 de Julho”.
Botão Voltar ao topo