Instituto responsável por vestibular da Uncisal tem histórico de fraudes

O Instituto AOCP, responsável pela organização do Vestibular 2018 da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas (Uncisal), já foi alvo de denúncias envolvendo outros concursos, principalmente no estado da Bahia.

Em rápida consulta na internet é possível encontrar reportagens sobre a instituição, que divulgou de forma errada o resultado do vestibular na última sexta-feira, 18, anulando a lista de aprovados na segunda-feira, 22, por erro de cálculo.

Em 2017, a Polícia Federal na Bahia instaurou inquérito policial para apuração das suspeitas de fraude envolvendo o concurso da Universidade Federal da Bahia (Ufba). O Instituto AOCP foi o responsável pelo certame.

No mesmo mês, durante as provas para outra seleção organizada pelo AOCP para agentes penitenciários do Ceará, 26 pessoas foram presas com pontos eletrônicos.

Em 2011, o Ministério Público da Bahia (MP-BA) chegou a suspender a convocação dos aprovados no concurso da Câmara Municipal de Salvador devido ao excesso de notas 100 nas provas de redação, o que levantou suspeita entre os candidatos.

Em 2015, foi a vez do Ministério Público Federal do Tocantins (MPF-TO) ajuizar Ação Civil Pública contra o AOCP e a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH) por estarem desconsiderando dados constantes em documentos públicos nas entrevistas realizadas para aferição da adequação dos candidatos às vagas reservadas a negros do concurso do Hospital de Doenças Tropicais da Universidade Federal do Tocantins.

 

Redação com Cada Minuto

Botão Voltar ao topo