EUA e Coreia do Sul iniciam manobras militares em momento de tensão

Coreia do Sul e Estados Unidos iniciaram seus exercícios militares anuais conjuntos nesta segunda-feira (21), enquanto o presidente sul-coreano, Moon Jae-In, pedia a Pyongyang para não usá-los como desculpa para perpetuar o “círculo vicioso” das tensões.

China, aliada norte-coreana, voltou a pedir nesta segunda que os dois países suspendam seus exercícios conjuntos e que sejam retomadas conversações para por fim à crise entre Estados Unidos e Coreia do Norte.

“A atual situação na península da Coreia é muito sensível e frágil, o que requer que as partes diretamente envolvidas, Estados Unidos e Coreia do Sul, incluídos, façam esforços conjuntos para reduzir as tensões”, afirmou o porta-voz do ministério das Relações Exteriores, Hua Chunying.

Milhares de soldados participam da manobra militar “Ulchi Freedom Guardian” (UFG). Baseada em grande medida em simulações por computador, esses exercícios serão realizados na Coreia do Sul e vão durar duas semanas.

Os dois aliados apresentam essas operações como defensivas, mas, para Pyongyang, trata-se de uma repetição provocadora da invasão de seu território. E, todo o ano, ameaça lançar represálias militares.

Tensão

A operação de 2017 acontece em um contexto de alta tensão e de guerra retórica entre Washington e Pyongyang.

A Coreia do Norte testou dois mísseis balísticos intercontinentais (ICBM) em julho, parecendo pôr boa parte do continente americano a seu alcance. Como reação, o presidente americano, Donald Trump, ameaçou deflagar “fogo e fúria” ao Norte.

Em resposta, Pyongyang prometeu lançar uma salva de mísseis perto do território americano de Guam, no Pacífico. O líder norte-coreano, Kim Jong-un, decidiu deixar o plano em suspenso, alertando que sua ativação depende apenas do comportamento de Washington.

O presidente Moon ressaltou que o exercício UFG é “puramente defensivo por natureza”. Pyongyang não deve “usá-lo como desculpa para provocações que agravariam a situação”, afirmou.

“A Coreia do Norte deve compreender que suas reiteradas provocações obrigam a Coreia do Sul e os Estados Unidos a realizarem exercícios conjuntos, perpetuando o círculo vicioso”, acrescentou.

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo