Servidores da Educação suspendem greve no Estado

Os servidores da Educação do Estado decidiram, em assembleia nessa terça-feira (28), na sede do Sinteal, suspender a greve geral da categoria.

A plenária avaliou como melhor estratégia voltar às aulas e dialogar com alunos e pais sobre as demandas dos profissionais, que são contrários às reformas da previdência e trabalhista.

“O momento é extremamente grave. A liberação total da terceirização recentemente aprovada pode destruir os concursos públicos e os direitos duramente conquistados como o Piso Nacional, Planos de Carreira e, inclusive as exigências de qualificação profissional para professores e funcionários de escola. O desmonte da Previdência Social é um crime contra todas as categorias de trabalhadores e a Reforma Trabalhista em andamento, um retrocesso de mais de um século. Portanto, vamos continuar mobilizando a base e nos organizando com os demais sindicatos, e Centrais sindicais, para construir a greve geral”, disse a presidenta do Sinteal, Consuelo Correia.

Além das pautas nacionais, o Sinteal luta pelas bandeiras específicas da categoria, na realidade local. Em defesa da data-base e da aplicação da lei do piso do magistério e implementação do percentual de reajuste em todos os níveis da carreira, e também para os funcionários de escola, que são educadores. Progressões pendentes também estão na pauta cobrada.

Seguindo com a agenda de mobilizações, já está marcada a próxima atividade para sexta-feira, 31 de março. Um ato público no Centro de Maceió, com concentração marcada para 8h30, na Praça Deodoro. A manifestação vai seguir em caminhada até o Tribunal Regional de Trabalho, para participar do ato contra a reforma trabalhista. E no dia 05 de abril, está marcada uma assembleia da rede municipal de Maceió, às 09h, na sede do Sinteal, para encaminhar os próximos passos da campanha salarial.

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo